#4 Cães e Crianças: Amigos desde a infância

Olá pessoal! Bom dia!

Como prometido vou continuar a série de Cães e Crianças nessa postagem. Acho super importante as dicas para mamães de primeira viagem que tem bichos, ou até mesmo as mamães que adotam um animalzinho depois da gestação. São 5 posts relacionados a esse assunto que estarei publicando durante dois dias da semana (clique aqui para conferir o terceiro), então não deixem de conferir o quarto abaixo:

” *O que o mascote pode ensinar e aprender

O cão e a criança têm muito o que aprender e a ensinar um com o outro. Segundo o pediatra José Gabel, com os bichinhos os pequenos interagem, exploram e vivenciam experiências de estímulos e reflexos que vão construindo sua personalidade e autonomia.

‘As relações desempenhadas por animais de estimação e humanos exercem importantes benefícios, como ações de sensibilização nas áreas de afeto, social, cognitiva e, em casos especiais, até melhoras físicas e emocionais’, comenta o médico.

E não é só isso. Como explica a psicóloga Rita Calegari, ao lado dos mascotes, as crianças trabalham a parte lúdica e de socialização, exercitam o cuidar, o respeito e a tolerância, e ainda descobrem os valores familiares e a dor da perda. ‘Pelo fato de a vida do cão ser mais curta, os pequenos acabem tendo de lidar com a sua morte em algum momento. Embora seja triste, é uma oportunidade rica de aprendizado sobre o ciclo da vida.’

CaeseCriancas4

O convívio com os peludos também exercita e desenvolve a coordenação motora, estimula os sentidos, incentiva a autoridade e ensina o que é afetividade. Além disso, a relação, muitas vezes, pode funcionar como um refúgio emocional para as crianças que são sozinhas. O que acontece é que elas encontram no cachorro um companheiro fiel e presente.

Um item de fundamental importância quando falamos de crianças e animais de estimação é a questão da responsabilidade. Quando pequenas, elas podem participar de tarefas simples relacionadas à rotina do cão, como brincar com eles e cobri-los nos dias frios. Conforme forem crescendo, a lisa de afazeres também pode aumentar. Por exemplo, a partir dos cinco anos de idade, a criança já consegue levá-lo para passear (mas sempre acompanhada de um adulto), ajudar no banho, dar comida e escovar os pelos.

‘O ideal é passar as funções aos poucos e sempre de acordo com as habilidades da criança. Só que é preciso ficar claro que a responsabilidade principal sobre o animal deverá ser sempre dos adultos. Não se pode jamais transferir isso para os filhos’, enfatiza a psicóloga Rita Calegari. Mas não são apenas crianças que aprendem com os cães. Na verdade, eles também têm muito a aprender com a garotada. Os pequenos podem, por exemplo, por meio de brincadeiras, ensinar truques fáceis, como devolver objetos que lançam e a dar a patinha. De forma não tão direta, o mascote ainda caba aprendendo limites e respeito, já que, assim como ele, em alguns momentos a criança preferirá fica sozinha ou simplesmente não estará com vontade de brincar com ele.

Po último, com a idade apropriada, as crianças devem ser encorajadas a treinar cães em outras atividade de obediência básica, como sentar e vir quando for chamado. Essas ações servem para ensinar os pets que crianças são superiores a eles na hierarquia social, ou seja, que são suas líderes.”

E o que acharam? Super importante essas dicas né? Compartilhem pessoal!

Fonte/Fotos: Revista Melhor Amigo – Ano 1, n. 9, pag. 28.