Animais sentem a perda de seus companheiros e acompanham o luto? 3

Para os humanos que questionam se os animais não humanos entendem o que aconteceu e se ficam tristes quando outro animal morre, fotos como esta dispensam argumentos.

O gato Kooky e o cão Gracie nunca haviam dormido juntos antes, mas o fizeram quando sua companheira, a cachorra Mauja, teve de ser eutanasiada.

Kanadka, usuário do Reddit, postou a foto dos dois animais aparentemente passando pelo luto juntos. As informações são do Daily Mail.

cães-gatos-1

 

Kooky e Gracie: Animais entram em luto quando outros morrem? Esta imagem diz tudo. (Foto: Reddit)

cães-gatos-2A cachorra Mauja: Sua perda foi mais sentida que seus tutores poderiam supor. (Foto: Reddit)

O post dizia: “Eu tive que eutanasiar Mauja no último sábado. Não pensei que os outros animais sentiriam a sua falta, e então isso aconteceu. Kooky e Gracie nunca haviam dormido juntos, mas lá estavam na última noite, dormindo na cama de Mauja”. A foto foi visualizada mais de 75 mil vezes.

O usuário seeshatyadidthere comentou: “Meu cão e meu gato cresceram juntos e recentemente o cão morreu. O gato, que estava perfeitamente saudável, morreu duas semanas depois. Animais criam elos mais fortes do que as pessoas possam imaginar”.

Há muitas histórias de animais domésticos leais que entraram em luto por entes queridos humanos e não humanos, ou que se recusavam a deixar o túmulo de seus tutores.

Algumas pessoas perguntam se há realmente tristeza nos animais ou se nós estamos apenas impondo emoções humanas a eles.

Julgando por esta foto e também por uma infinidade de casos famosos nos quais os animais permaneceram fiéis aos tutores ou companheiros por muito tempo após a perda física, percebe-se que o luto dos animais é real.

Recentemente, a Anda publicou a história e o tocante vídeo da cachorra Bella, que se recusava a sair de perto do castor Beavis após o seu falecimento. Ela choramingava, enquanto custava a compreender que seu amigo havia morrido.

cães-gatos-3

A cachorra Bella, que ficou ao lado do corpo de seu amigo, o castor Beavis, por muito tempo após ele ter falecido. (Foto: Reprodução/ YouTube)

Houve também o caso do cão Husky Siberiano Wiley, que era tão ligado à sua tutora que apareceu chorando sobre seu túmulo, e notadamente com expressão muito triste.

O adorável cão deitou sobre a lápide e demonstrava estar perturbado com a perda, tremendo e soluçando. A família estava sensibilizada, ao seu redor.

cães-gatos-4

 

Devastado: o cão Wiley ficou inconsolável e não conseguia sair da lápide da tutora. (Foto: YouTube)

Em 2011, um cão chinês ficou famoso por permanecer junto ao local onde havia sido sepultado o seu tutor, mesmo sem alimento por mais de uma semana.

O leal cão simplesmente parecia não poder suportar ficar longe de seu tutor e amigo.

O tutor vivia sozinho em uma pequena casa na vila de Panjiatun, na China, e tinha apenas o cão como companhia.

A história foi citada em matéria da Anda em 2012, onde um vídeo da BBC Brasil comenta o caso.

cães-gatos-5

 

Amigo leal: este cão chinês ficou uma semana sem se alimentar e ao lado da sepultura de seu tutor. (Foto: YouTube)

Animais não humanos realmente sentem a perda e cumprem luto?

Quando um cão morre, tutores frequentemente notam algumas mudanças nos outros animais domésticos que conviviam com ele.

Eles podem se tornar apáticos ou letárgicos. Alguns param de comer ou passam a pedir mais afeto dos tutores.

Baseando-se nestes sinais, parece que eles realmente sofrem quando um companheiro morre.

Os animais domésticos não podem se expressar na linguagem humana, e nós realmente nunca sabemos o que se passa com eles, seus pensamentos ou sentimentos.

Para comprovar essas impressões, a Sociedade Americana para Prevenção da Crueldade aos Animais (SPCA) conduziu uma pesquisa a respeito, em 1996, chamada Companion Animal Mourning Project (Projeto de Estudo do Luto em Animais de Companhia).

O estudo, que foi realizado com cães, descobriu que 36% dos animais comiam menos que o habitual após a morte de um animal companheiro.

Aproximadamente 11% pararam completamente de se alimentar.

Outros 63% vocalizaram mais que o normal, ou se tornaram mais quietos.

Respondentes do estudo indicaram que os cães que sobreviviam à perda de outros mudavam a quantidade de horas de sono e o local onde dormiam.

Mais da metade desses animais tornaram-se mais afetuosos e apegados aos seus tutores.

De maneira geral, o estudo revelou que 66% dos cães demonstraram no mínimo quatro mudanças comportamentais após perderem um animal de companhia.

 

Fonte: Anda.

  • ricardoms

    Eu tinha um cão chamado Thunder, eu que ajudei a mãe dele a
    dar a luz a ele, e viveu comigo por curtos e 13 anos até que ele ficou doente e
    tive que abreviar o inevitavel, e até hoje sinto sua falta e choro sempre
    quando penso nele e na quele dia e vi seus olhos quando ele percebeu que ia
    acontecer, e até hoje me sinto triste pois sei que eles tem uma inteligência de
    uma criança de 5 anos e sabem de tudo só não conseguem se expressar como nós,
    SINTO SUA FALTA MEU AMIGO, SAUDADES DE NOSSAS BRINCADEIRAS E nossos Rolés Pelas
    Ruas de Nossa Vila E que felicidade ver seus olhos com alegria ao me ver chegar
    do trabalho e vc vinha me abraçar quase que falando “que ver você de
    volta”…….aaaaaaaaaaiiiiii como queria que você não fica-se doente na
    quela época……..MUITAS SAUDADES ME IRMÃO, Sim IRMÃO POIS NÓS COMPARTILHAMOS
    A MESMA TERRA MÃE MESMO NÃO FALANDO A MESMA LINGUA MAS O MESMO SENTIMENTO DE ALEGRIA

    • bkawakami

      Cara bixo, que bonito….

      Fiquei emocionado!

    • jenny

      Olá Ricardo! Fiquei super emocionada com a sua história. Realmente, é uma perda irreparável! Eles nos ensinam a ser humanos de verdade! Muita força à você e a todos que um dia, já perderam um bichinho, assim como eu!