Os cães mais silenciosos: Conheça os motivos que os fazem latirem em excesso!

Bom dia pessoal!

Achei muito interessante essa postagem, já que existem várias pessoas que tem cães e querem aprender a controlá-los para terem uma boa convivência. Retirei essa publicação de uma revista sobre cães que segue com a fonte no final e gostaria de compartilhar com vocês:

“Os latidos excessivos dos cães causam uma verdadeira dor de cabeça para quem mora em apartamento ou deixa o cão sozinho por muito tempo em casa. Mas além dos transtornos, especialmente para os vizinhos, os latidos são resultados de um comportamento que pode prejudicar o animal. “Latidos são problemas de questões judiciais, mudanças de residência e até mesmo de cidade por conta disso”, relata o psicólogo de cães Renato Bani, da Perfect Dog. Para evitar esse problema, o primeiro passo é escolher com cuidado a raça do cão que fará parte da família.

Cão-latindo

De acordo com Buani, há alguns fatores que levam certos cães a latirem mais do que outros. “Se uma raça tem mais audição, o cão estará mais sensível ao barulho, o que pode gerar incômodo e reações”, explica. Além das características genéticas, um dos principais motivos que leva o cão a latir é a solidão. Há raças que se adaptam melhor ao período solitário, tanto física como emocionalmente. Esse critério de avaliação deve vir muito antes de se pensar na estética ou no tamanho do amigão. “Existem raças que não se adaptam sequer ao clima tropical, mas apenas pela bela aparência são muito vendidas no Brasil. Esse transtorno aumenta ainda mais quando os cães habitam apartamentos”, lamenta o treinador.

Mas apenas escolher um cão que seja naturalmente quieto não é garantia de evitar o problema. O treinamento constante e uma boa adaptação do animal ao ambiente em que vive é fundamental para o bom comportamento. Um ponto importante é a quantidade de atenção que o dono dispensa quando está prestes a sair ou no retorno à casa, “Há uma técnica eficaz para atenuar a solidão do cão. A proposta é evitar falar com o cachorro em um prazo de dez minutos, tanto antes de sair como depois, na volta. Isso ajuda a conter a ansiedade”, orienta o psicólogo.

Ao colocar a ausência como uma atitude qualquer, o dono estimula a capacidade de entendimento e diminui a ansiedade pelo retorno. Mas, ao adotar uma postura diferente, gera-se o efeito contrário. “Mesmo durante a ausência do dono, o cão ficará tentando antecipar o momento de prazerem que ganhará a atenção especial. Por isso, tentará chamar o dono de volta e se fazer notar”, afirma. Em casos mais extremos, o ideal é procurar o auxílio de um especialista.”

Gente, o que acharam das dicas desta postagem? Acho super válido e muito importante principalmente para pessoas que moram em apê ou lugares pequenos ou mesmo aqueles que querem educar seus bichinhos desde pequenos!

Fonte/Imagem: Revista Melhor Amigo – Ano 1 – n 9 – Pag. 38-41